Disciplinas

 

Disciplinas


O Currículo será composto de 6 (seis) disciplinas obrigatórias, perfazendo um total de 24 créditos, 360 horas, no curso:

três (03) disciplinas obrigatórias relacionadas aos conteúdos básicos de Química;

uma (01) disciplina obrigatória relacionada ao desenvolvimento dos fundamentos teóricos e metodológicos no uso de tecnologias [ferramentas] computacionais e de comunicação, e desenvolvimento de kits para uso em sala de aula;

uma (01) disciplina obrigatória visando os Fundamentos Metodológicos para a Pesquisa em Ensino de Química;

uma (01) disciplina obrigatória em formato de seminários que discuta aspectos didático-pedagógicos, destacando visões contemporâneas de ensino, aprendizagem e avaliação com foco no Ensino da Química;

 

Detalhamento das disciplinas



 

ABORDAGENS TECNOLÓGICAS ATUALIZADAS PARA O ENSINO (ATE) – OBRIGATÓRIA – CARGA HORÁRIA – 60

Tecnologia e Cultura Digital no mundo contemporâneo. O conceito de Mediação. Contribuições da perspectiva Histórico Cultural. Modalidades e meios mediais. Mediação semiótica. Meios e suporte tecnológico para a difusão da ciência. Processos síncronos e assíncronos. Educação e mobilidade. O rádio na educação: história e desafios. O potencial das redes sociais. Podcasting de áudio e vídeo. Os ambientes virtuais de aprendizagem. Cinema e educação. Produção fotográfica e autoria. Aplicativos com recursos 3D: simulação e representação. Jogos educativos. Tecnologia e novas estratégias de avaliação. Atividades coordenadas pelo NEaD-UFRJ.

 

REFERÊNCIAS

  1. Almeida, F. J.; Almeida, M. E. B. B. Liderança, Gestão e Tecnologias: Para a Melhoria da Educação no Brasil. São Paulo: Parceria PUC-SP/Microsoft. 2006.
  2. Almeida, F. J.; Fonseca Júnior, F. M., Projetos e Ambientes Inovadores. Brasília: MEC-Proinfo, 2000.
  3. Barba, C.; Capella, S. Computadores em sala de aula: métodos e usos. Porto Alegre: Artmed, 2012.
  4. Castells, M. A sociedade em rede: a era da informação: economia, Sociedade e cultura. 4. ed. São Paulo: Paz & Terra, 2000.
  5. Cotton, B.; Oliver, R. Understanding Hypermedia. New York: Phaidon, 1999.
  6. Gilbert, J.; Visualization in science education. New York: Springer
  7. Gupta-Bohowon, M. et. al.; Chemistry Education in the ICT age. New York: Springer, 2009.
  8. Habraken, C. L. Integrating into Chemistry Teaching Todays Students Visuospatial Talents and Skills, and the Teaching of Todays Chemistrys Graphical Language. Journal of Science Education and Technology, v. 13, n. 1, 2004.
  9. Hokyoung, R.; Parsons, D.; Innovative mobile learning. New York: Hershey, 2009.
  10. Kress, G.; Multimidality: a social semiotic approach to contemporary communication. New York: Routledge, 2010.
  11. Kress. G. et. al.; Multimodal teaching and learning. London: Continuum, 2001.
  12. Meszaros, I.; O Poder da ideologia. São Paulo: Boi Tempo Editorial, 2004.
  13. Moran, J. M. Ensino e educação de qualidade. In: Moran, J. M.; Masetto, M.; Behrens, M. Novas tecnologias e mediação pedagógica. 8. ed. São Paulo: Papirus, 2004. Disponível em: . Acesso em: 05 abr. 2012.
  14. Santaella, L. Matrizes da linguagem e pensamento. Sonora, visual, verbal. Aplicações na hipermídia. São Paulo: Iluminuras, 2001.
  15. Sha, L.; Looi, C.-K.; Chen, W.; Zhang, B. H.; Understanding Mobile Learning from the Perspective of Self-Regulated Learning. Journal of Computer Assisted Learning, v. 28, n. 4, 2012.
  16. Souza, R. R.; Alvarenga, L.; A web semântica e suas contribuições para a ciência da informação. Ciência da Informação, Brasília, v. 33, n. 1, p. 132-141, jan. /abr. 2004.
  17. Ultay, N.; Calik, M.; A Thematic Review of Studies into the Effectiveness of Context-Based Chemistry Curricula. Journal of Science Education and Technology, v. 21, n. 6, 2012.
  18. Vygotsky, L. A.; A formação social da mente. São Paulo: Martins Fontes, 1984.
  19. Vygotsky, L. A.; Pensamento e linguagem. São Paulo: Martins Fontes, 1991.
  20. Wong, L. -H.; Chen, W.; Jan, M.; How Artefacts Mediate Small-Group CoCreation Activities in a Mobile-Assisted Seamless Language Learning Environment. Journal of Computer Assisted Learning. v. 28, n. 5, 2012.

 

SEMINÁRIOS WEB-1, 2, 3 4 – OBRIGATÓRIA –  CARGA HORÁRIA: 15

Corresponde a quatro disciplinas de 15 horas cada, sendo ofertada uma em cada semestre do PROFQUI. A agenda dos seminários será organizada semestralmente, com a participação das instituições associadas. Os seminários poderão ter abrangência local, regional, ou nacional, dependendo do interesse e da agenda proposta em cada semestre.

Serão tratados temas atuais de relevância científica e social para a química e sua transposição como disciplina para o ensino básico: História e Filosofia da Química, Dependência Química e Saúde, Química e sua divulgação, Química e seu papel no desenvolvimento social.

Disciplina Seminários web I – 2017-2

1. PGQu – Annibal Duarte Pereira Netto – Um panorama da ocorrência de HPAs no Brasil – Publicado em 17 de mai de 2014
https://www.youtube.com/watch?v=BNTBQWt_3R4

2. PGQu – Vanderlan da Silva Bolzani – Biodiversidade e Química, nossa vida, nosso futuro – 2° Semestre de 2011
https://www.youtube.com/watch?v=9SihXHUbSRw

3. PGQu – Osvaldo Serra – Terras Raras: O Meio Ambiente Agradece. Agradece mesmo? Publicado em 12 de jun de 2015
https://www.youtube.com/watch?v=JcL4maZwTr0

4. Seminário sobre o Moodle:
https://www.youtube.com/watch?v=PQAaCX2yzRY

Disciplina Seminários web 2 – 2018-1

1. PGQu/PROFQUI – Joana D’Arc Félix de Sousa – A Construção do conhecimento através da Tecnologia e didática  – Publicado em 15 de março de 2018

REFERÊNCIAS

  1. BEARD, J. M. Enviromental Chemistry in Society. New York: CRC Press, 2014.
  2. BORGES, M. N. Et. Al. Ações de divulgação de química na Casa da Descoberta. Química Nova, v.34 n.10, 2011.
  3. COULTATE, T. Food: the chemistry of its components. Cambridge: RSC, 2009.
  4. LABARCA, M.; BEJARANO, N.; EICHLER, M. L. Química e filosofia: rumo a uma frutífera colaboração. Química Nova, v. 36, n. 8, 2013.
  5. LEONARDO, A. J.; MARTINS, D. R.; FIOLHAIS, C. O Instituto de Coimbra e o Ensino Secundário em Portugal na Primeira República. Revista Portuguesa de Educação, v.25 n.1, 2012.
  6. MAIA, R. G. A pré-química na escola de Rafael Sanzio. Boletim da Sociedade Portuguesa de Química, n. 132, p. 47-58, 2014.
  7. MILAGRES, L. H.; CARVALHO, O. R. S. Um olhar sobre a História da Química no Brasil. Revista Ponto de Vista do Coluni, v. 3, p. 27-37, 2006.
  8. MOCELLIN, R. C. Filosofia da Química: uma novidade aparente. In: BECKER, E.; BALIEIRO, M.; TOLLE, O. (orgs) Filosofia no ensino médio: filosofia da ciência. São Cristóvão: Editora da UFS, 2013.
  9. MOTA, L. A. Dependência química. São Paulo: Paulus, 2007.
  10. SOUZA, G. P. V. A; SANTOS, E. A.; SOUZA JÚNIOR, A. A. Química para o ensino de Ciências. Natal: Editora da UFRJ, 2011.
  11. SQUIRE, K. D. Et. Al. Designed curriculum and local culture: acknowledging the primacy of classroom culture. Science Education, v. 87, n. 4, p. 468-489, 2003.
  12. VIANA, H. E. B.; PEREIRA, L. S.; OKI, M. C. C. A História da Química como disciplina de Graduação. História da Ciência e Ensino, v. 4, p. 6-12, 2011.
  13. WOODHOUSE, E. J.; BREYMAN, S. Green Chemistry as Social Movement. Science, Technology, & Human Values, v. 20, n. 10, p. 1-24, 2004.

 

PESQUISA DE DISSERTAÇÃO DE MESTRADO – OBRIGATÓRIA – CARGA HORÁRIA: 360

Após a conclusão da parte teórica os alunos deverão desenvolver um trabalho de dissertação, envolvendo, necessariamente, temas relacionados com atividades didáticas para o ensino médio. a Escolha do tema da dissertação deverá ocorrer obrigatoriamente até o terceiro semestre. Nesta etapa será analisada a proposta do trabalho de dissertação, avaliando os aspectos relativos a viabilidade teórica, metodológica e prática, bem como, a execução no prazo previsto.


 

 

QUÍMICA 2: PILARES DA QUÍMICA   OBRIGATÓRIA – CARGA HORÁRIA: 60

Interações atômicas e moleculares. Energia e reações químicas. Solubilidade. Fotossíntese. Respiração. Combustão. Relações estrutura – propriedades. Panoramas da Química: dos redutores aos oxidantes.

REFERÊNCIAS

  1. Treichel, P.J.; Kotz, J. C.; Química Geral e Reações Química vol.1, Editora Cengage Learning, 2009
  2. TOMA, H. E., Coleção de Química Conceitual: 2. Energia, Estados e Transformações Químicas Editora Blucher, SP. 2012.
  3. Voet, D. Bioquímica, Editora Artmed, 2013
  4. Loreto, E. L. S.; Sepel, L. M. N. Fluorescencia da Clorofila, Orbitais e Fotossíntese: atividades práticas integrando conceitos de Química, Física e Biologia, Revista Brasileira de ensino de Bioquímica, 2013, 1, 26-36.
  5. Fotossíntese: um tema para o ensino de ciências? Química nova na escola, 2000, 12, 24-29 http://qnesc.sbq.org.br/online/qnesc12/v12a06.pdf
  6. A química do Corpo Humano: Tensão Superficial nos Pulmões ? Química nova na escola, 2002, 3-5. http://qnesc.sbq.org.br/online/qnesc16/v16_A02.pdf
  7. Martins, C. R Lopes, W. A.; Andrade, J. B. Quim. Nova, 2013, 1248-1255.

 

 

QUÍMICA 1: ORIGEM DOS ELEMENTOS E MOLÉCULAS – OBRIGATÓRIA – CARGA HORÁRIA: 60

A formação dos elementos químicos. A constituição da matéria. Mendeleyev e o Universo dos elementos. A formação das moléculas. As interações matéria e energia. Panoramas da Química através da Tabela Periódica: dos metais aos não metais, das bases aos ácidos. Os estados da matéria e suas transformações. Formas de energia e seu papel nas mudanças de estado e nas transformações químicas.

REFERÊNCIAS

  1. MAAR, Juergen H. Pequena História da Química: Primeira Parte – Dos primórdios a Lavoisier, 1ª Ed. Florianópolis: Papa livros, 1999
  2. MAAR, Juergen H. Pequena História da Química: – Segunda Parte – de Lavoisier ao Sistema Periódico, 1ª Ed. Florianópolis: Papa livros, 2011
  3. TOMA, H. E., Coleção de Química Conceitual: 1. Estrutura atômica, ligações e estereoquímica; 2. Elementos químicos e seus compostos. Editora Blucher, SP. 2012.
  4. FILGUEIRAS, C. A. 200 anos da teoria atômica de Dalton. Quim. Nova na Escola, n.20, 38-44. http://qnesc.sbq.org.br/online/qnesc20/v20a07.pdf
  5. Estrutura da matéria: uma visão molecular. Cadernos Temáticos de Química Nova na Escola. Edição especial, v. 4, 2001. http://qnesc.sbq.org.br/online/cadernos/
  6. Representação estrutural da matéria. Cadernos Temáticos de Química Nova na Escola. Edição especial, v. 7, 2007. http://qnesc.sbq.org.br/online/cadernos/
  7. Bibliografia de artigos específicos e revisões da Química Nova, Química Nova na Escola, Revista Virtual de Química e QNINT.

 

FUNDAMENTOS METODOLÓGICOS PARA A PESQUISA EM ENSINO DE QUÍMICA – OBRIGATÓRIA – CARGA HORÁRIA: 60

Pesquisa em Ensino de Química: aspectos teóricos, epistemológicos e metodológicos. Reflexos da pesquisa em Ensino de Ciências em sala de aula. Normas de trabalhos científicos: artigo, monografia, dissertação e projeto de investigação em Ensino de Química. Análise de artigos, dissertações e teses de ensino de Química. Elaboração de proposta de organização do trabalho de dissertação

REFERÊNCIAS

  1. CERVO, A. L.; SILVA, R.; BERVIAN, P. A. Metodologia Científica. 6ª Ed., São Paulo: Pearson Education, 2007.
    SEVERINO, A. J. Metodologia do trabalho Científico. 23ª Ed., São Paulo: Cortez Editora, 2007.
  1. MARTINS, H. H. T. S. Metodologia qualitativa de pesquisa. Educação e Pesquisa, v.30, n.2, 289-300, 2004.
  2. VASCONCELOS, S. M. R. O plágio na comunidade científica: questões culturais e linguísticas. Ciência e Cultura, v.59, n.3, 4-5, 2007.
  3. PUNTAMBEKAR, S., GOLDSTEIN, J. Effect of visual representation of the conceptual structure of the domain on science learning and navigation in a hypertext environment. Journal of Educational Multimedia and Hypermedia, v. 16, n. 4, 429-459, 2007.
  4. SCHEPMANN, H.G., HUGHES, L.A. Chemical Research Writing: A Preparatory Course for Student Capstone Research. Jounal of Chemical Education., v.83, n.7, 1024, 2006.

 

QUÍMICA 3: QUÍMICA DA VIDA, AMBIENTE E MATERIAIS – OBRIGATÓRIA – CARGA HORÁRIA: 60

A Química da vida, ambiente e materiais de fontes fósseis e renováveis. Inter-relações química-física-biologia-matemática. Tecnologias convergentes e sustentabilidade. O setor industrial químico. A percepção da química pela sociedade. A contribuição cientifica e tecnológica da Química (Brasil e Global) para melhoria da qualidade de vida. Nanociência e nanotecnologia.

REFERÊNCIAS

  1. Toma, H. E., Coleção de Química Conceitual: 1. Estrutura atômica, Ligações e estereoquímica; 2. Elementos químicos e seus compostos; 3. Energia, estados e transformações químicas; 4. Química de coordenação, organometálica e catálise. Editora Blucher, SP. 2012.
  2. Santos, W.L.P. (coordenador); Química & Sociedade, Ed. Nova Geração, São Paulo, 2005.
  3. Estrutura da matéria: uma visão molecular. Cadernos Temáticos de Química Nova na Escola. Edição especial, v. 4, 2001. http://qnesc.sbq.org.br/online/cadernos/
  4. Costa, P. R. R.; Ferreira, V. F.; Esteves, P. M.; Vasconcellos, M. L. A.; Ácidos e Bases em Química Orgânica. Editora Bookman: Porto Alegre, 2005.
  5. Rocha Filho, R. C. Os fulerenos e sua espantosa geometria molecular. Quim. Nova na Escola, n4, 7-11, 1996.
  6. Novos materiais. Cadernos Temáticos de Química Nova na Escola. Edição especial, v. 2, 2001.
  7. Exemplo de Experimento: http://www.pontociencia.org.br/experimentosinterna.php?experimento=444&CROMATOGRAFIA+EM+PAPEL ; Coleção Química no Cotidiano- Ano Internacional da Química: A química perto de você: experimentos de baixo custo para a sala de aula. Sociedade Brasileira de Química. 2010. http://www.quimica2011.org.br/index.php?option=com_content&view=article&id=6&Itemid=81
  8. Bibliografia de artigos específicos e revisões da Química Nova, Química Nova na Escola, Revista Virtual de Química e QNINT.